5 dicas de como se preparar para trabalhar em plantão noturno

Na maioria das especialidades médicas, o trabalho em regime de plantão é uma realidade constante. É ele que garante que a maioria dos serviços funcione de uma maneira contínua, sem sobrecarregar os médicos envolvidos. Por isso, é fundamental que quem se forma nessa área tenha preparo para participar de plantões noturnos.

Nesse trabalho, o médico plantonista fica responsável pelos atendimentos durante a noite. Embora a responsabilidade seja contínua e o profissional possa ser acionado a qualquer momento, não é incomum que haja revezamento dos plantonistas durante a madrugada.

Para garantir uma boa preparação para os plantões noturnos, separamos 5 dicas fundamentais para médicos que encaram essa jornada. Vamos lá?

1. Alimentação específica

A maioria dos plantões ocorre em jornadas contínuas de 12 horas. Dentro desse período, deve haver intervalos para a alimentação — e, portanto, é importante se preparar para aproveitá-los bem.

Embora seja matéria de muito debate, o descanso do médico também já foi base para um posicionamento próprio do Conselho Federal de Medicina. O parecer nº 12/2015 diz que, a cada 90 minutos, o médico tem direito a 10 minutos de repouso em jornadas superiores a 6 horas de trabalho. Além disso, também é obrigatório um descanso de pelo menos 1 hora durante o plantão.

Por isso, se você se planejar, será possível utilizar os períodos de descanso para a alimentação. A dica do plantão noturno é evitar alimentos pesados, que possam demandar demais do trato gastrointestinal. Saladas, barras de cereais e frutas estão entre as opções mais populares para esse período.

2. Cuidado com os carboidratos

Nosso corpo segue um padrão circadiano, que altera a secreção de diversos hormônios. E isso inclui a insulina, naturalmente estimulada pelo consumo de carboidratos.

Por uma questão evolutiva, não estamos acostumados a ingerir muitos carboidratos durante a noite ou madrugada. Por isso, o plantão noturno pode servir como gatilho para distúrbios do ciclo circadiano, por vários mecanismos, um deles sendo a dieta.

Plantonistas frequentemente se veem tentados em consumir alimentos ricos em carboidratos. É o caso das comidas instantâneas, dos refrigerantes e dos energéticos, que são fáceis de preparar e dão a sensação de energia extra tão necessária no plantão.

No entanto, ingeri-los em momentos inadequados (como durante a madrugada) não é a melhor opção. Eles alteram abruptamente a secreção de insulina, que está ligada ao ciclo circadiano. Assim, o mesmo pode ficar alterado.

Por isso, durante o período noturno, é mais interessante apostar em alimentos com menor teor de carboidratos. Se for necessário o uso de bebidas, opte por versões diet ou com baixo teor de açúcar. Procure evitar massas, como macarrões instantâneos, pães e arroz branco.

3. Bebidas estimulantes

Em alguns plantões, não há muita escapatória: para fugir do cansaço e se manter em atividade, as bebidas estimulantes são as principais recrutadas. Dentre elas, as temos os refrigerantes, energéticos e cafés variados.

O princípio ativo central dessas bebidas é geralmente a cafeína, classicamente conhecida por manter as pessoas acordadas. Um dos mecanismos da cafeína é a inativação dos receptores de adenosina, uma substância que informa ao cérebro que estamos cansados.

Por isso, o consumo de bebidas estimulantes durante o período noturno “engana” o cérebro, que acredita que estamos descansados. Isso pode ser interessante como uma medida emergencial, nos casos que requerem maior atenção e quando estamos excessivamente cansados.

No entanto, assim como os alimentos ricos em carboidratos, a cafeína também contribui para alterações no ciclo circadiano. Ela pode dificultar o sono nos períodos de descanso e manter você alerta até depois do plantão — horário geralmente destinado para o descanso.

4. Revezamento combinado

Como mencionamos, durante a jornada de 12 horas de plantão, existem algumas pausas programadas. Na maioria dos casos, elas são pré-estabelecidas, sendo possível combinar com os colegas um regime de revezamento.

É importante, no entanto, manter atenção no Código de Ética Médica. No artigo 7, ele prevê que é vetado aos médicos “deixar de atender em setores de urgência e emergência, quando for de sua obrigação fazê-lo”. Assim, sempre se assegure de que os descansos programados estão acordados e são permitidos na unidade.

Nessas pausas, é possível repousar e evitar que a fadiga do dia e da noite se imponham sobre você. Elas permitem que o plantonista não fique tão cansado a ponto de ficar desatento ou comprometer a qualidade do atendimento.

Como os horários são acordados entre os médicos do plantão, a dica é se preparar: ao iniciar o plantão, busque seus colegas e tente estabelecer com antecedência quando será o horário de cada um. Com isso, você consegue se programar desde o início em relação ao tempo que passará no descanso.

5. Repouso programado

O médico que assumirá um plantão noturno sabe, com antecedência, que seu descanso ficará comprometido naquele dia. Por isso, o ideal é que ele programe o próprio período de repouso, para evitar já chegar no plantão cansado — ou, tão ruim quanto, sair cansado e não ter tempo de recuperar o fôlego.

Por isso, é comum que médicos que assumem plantões noturnos não “emendem” duas jornadas seguidas. Isso dá tempo para recuperar as energias e evita o acúmulo de cansaço, que pode levar a problemas físicos e mentais.

Um dos exemplos dos males que a falta de repouso programado pode causar é a síndrome de Burnout, que já é considerada pela OMS como uma doença ocupacional. A fadiga acumulada pode levar à exaustão psicológica e, nos casos mais extremos, a essa síndrome ainda pouco compreendida.

O plantão noturno faz parte da rotina de muitos médicos pelo mundo. Ele consiste em uma jornada de aproximadamente 12 horas e, por isso, requer programação, atenção aos detalhes e descanso para que tudo corra bem. Com as 5 dicas que apresentamos, você certamente estará com o preparo em dia para seus plantões e vai conseguir vencê-los com sucesso.

Se você gostou das dicas, com certeza seus colegas também podem se beneficiar com essas informações. Então, para nos ajudar a disseminar informações de qualidade sobre a prática médica, compartilhe este post em suas redes sociais!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top